Categorías
flujos de pensamiento, los coloquios

Ana Teixeira, A institucionalização do corpo branco como norma no ambiente das artes

A proposta do artigo é discutir a construção da imagem do « corpo ideal » no contexto da dança institucional. Como disparador será trazido o documento “Relatório sobre a diversidade na Ópera Nacional de Paris », que foi a público no dia 08/02/2021, propondo uma transformação radical nos procedimentos de contratação de artistas não brancos(as). Compreender o sistema que envolve tal empreitada poderá nos ajudar a elucidar o porquê da manutenção da hegemonia do corpo branco em instituições públicas e privadas de dança, e a perguntar se é possível modificar tal padrão, que age há mais de 4 séculos, quando estudamos a constituição da branquitude e do racismo institucional. Como eixos centrais de problematização do projeto estão a construção do corpo ideal no âmbito das cortes europeias do XVI ao XVIII; o domínio do corpo branco no aparato institucional a partir do estabelecimento de parâmetros discriminatórios baseados no fenótipo; a manutenção do discurso da dança branca em outras geografias e a ritualização dos códigos de comportamento e padrões estéticos, com ênfase no Brasil oitocentista. Como aporte teórico das discussões pós-coloniais críticas as questões da branquitude, segue-se com Bento & Carone (2017); Cardoso (2020); Fanon (1952); Schucman (2020); Sovik (2009); Ware (2005), entre outros, para tratar dos conceitos de branquitude, raça, racismo e letramento racial. Acompanhando o debate sobre racismo institucional está Almeida (2019). Com Foucault (2000, 2004, 2005, 2011, 2019) e Elias (2001) será tensionada a relação corpo e poder no âmbito da construção dos rituais institucionais de controle eurocêntricos. No que tange à dança centro-europeia estão Franko (200); Lecomte (2014); Lepeyere (2016); Maurmayyr (2016); Nordera (2014); e na abordagem histórica sobre o entendimento das danças oitocentistas brasileiras caminha-se com: Sucena (1989), Teixeira (2012, 2019, 2020); Zamith (2011), Zamoner (2013, 2014, 2015, 2016, 2017), Monteiro (2011), Melo (2014) e outras referências. A hipótese central é que a manutenção do entendimento do “corpo branco”, como modelo incontestável no contexto das instituições públicas e privadas brasileiras, que trabalham com a arte da dança, se dá justamente porque o “corpo branco”, ao longo da história, segue como ideal estético, político, econômico e de poder hegemonicamente imposto. Quando se discorre sobre a historiografia da dança, a partir do processo colonizatório, compreende-se que esta arte corrobora na construção da valorização dos privilégios da branquitude. Nesse sentido, pergunta-se se é possível modificar essa lógica de dança branca sendo ela estrutural.



Citar este post
Ivan Jimenez (2023, 30 marzo). Ana Teixeira, A institucionalização do corpo branco como norma no ambiente das artes. Descentradxs. Recuperado 17 de junio de 2024, de https://doi.org/10.58079/nj3m

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

Buscar en OpenEdition Search

Se le redirigirá a OpenEdition Search